você está em: Inicial | Canal Agro | MT: Helicoverpa traz ‘novidade’ nessa safra: surge a reboque da buva

novembro 2014 Geral

MT: Helicoverpa traz ‘novidade’ nessa safra: surge a reboque da buva

O plantio da safra 2014/15, em Mato Grosso, chegou à reta final nessa semana, mas antes mesmo que muitos produtores visualizassem a conclusão dos trabalhos nesse ciclo, os olhos e as ações já se voltavam para intervenções nas lavouras. Pragas e doenças, como lagartas e a ferrugem asiática, estão demandando intervenções e podem tirar o sono de agora em diante, quando as plantas passam ao estádio reprodutivo, momento em que todo cuidado é pouco e que pode fazer a diferença no rendimento por hectare e na qualidade do grão.

Até o último dia 21, 93% da área estimada em 8,8 milhões de hectares estava plantada, revelando um atraso anual de quase 5 pontos percentuais (p.p.), conforme levantamento do Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (Imea). A expectativa é que de que a semeadura se encerre no início do próximo mês, totalizando as mesmas doze semanas de trabalhos da safra passada.

A demora na finalização reflete a falta de chuvas durante o início do plantio, que chegou a paralisar a semeadura no Estado durante o mês de outubro. Em razão dos intervalos de plantios, há plantas em estádios diferentes de desenvolvimento no mesmo talhão. As lavouras que sofreram com o estresse hídrico de outubro, também foram castigadas nesse mês pela estiagem de mais de dez dias em alguns pontos do Estado e por isso, há desenvolvimento prejudicado e falhas na formação dos stands. E toda essa soja castigada ou recém emergida, já está sendo ‘atacada’ por fortes inimigos, como o fungo Phakopsora pachyrhizi, causador da ferrugem, e lagartas como a Helicoverpa, temida pelo difícil combate e apetite voraz.

Conforme o Consórcio Antiferrugem, Mato Grosso registra 16 casos de ferrugem – o segundo maior acumulado do país, atrás do Rio Grande do Sul com 17 -, sendo oito em lavouras comerciais. O que chama à atenção é que o primeiro caso confirmado, além de anteceder em 15 dias o verificado no ano passado, o foco estava em planta em estádio vegetativo, enquanto que o registro de 30 de novembro do ano passado, foi em estádio reprodutivo (R5), em Campos de Júlio (noroeste do Estado). A confirmação do dia 15, foi feita em lavoura de Tapurah (norte do Estado).

Como reforça o coordenador da Comissão de Defesa Sanitária Vegetal do Ministério da Agricultura, em Mato Grosso (CDSV/Mapa), Wanderlei Dias Guerra, a chegada mais cedo da ferrugem na lavoura comercial não foi surpresa. “Esse quadro já estava desenhado e alertas nossos não faltaram durante toda a entressafra da soja”. Conforme o fiscal federal, a sojicultura chega ao momento mais crítico em relação à ferrugem asiática, com o surgimento dos primeiros focos em lavouras comerciais. Até a data do último registro, no dia 18, eram três casos em Tapurah, dois em Nova Maringá e três em Nova Ubiratã.

“As chuvas estão se normalizando e quando o tempo fechar de fato, o controle da doença estará dificultado e é ai que ela se alastra”. Os casos mais precoces da doença surgiram logo que as chuvas foram retomadas, mas as precipitações ainda estão longe do ideal. O temor e que de no auge da umidade no Estado a doença fuja do controle, até porque a pressão nesse ano tende a ser maior.

“Infelizmente, exatamente como prevíamos e alertamos desde a entressafra, a ferrugem chegou mais cedo que na safra passada! Nossa grande preocupação é em relação à possível maior virulência desta ferrugem, porque ela pode ser reflexo da soja safrinha, que manteve condições de ambiente e alimento aos fungos durante a entressafra. E justamente por virem da safra principal, da safrinha, onde receberam doses de fungicidas, temos agora uma populações cada vez menos sensíveis às moléculas em uso e por isso escapam e se multiplicam”. Como reforça, os fungos nas plantas guaxas (que se desenvolvem involuntariamente) sobreviveram sem problemas, graças à umidade necessária, porque choveu muito na entressafra. “Tomara haja renda de outros anos de reserva pelos produtores, para enfrentarem a situação que se avizinha. Espero que haja tempo para corrigirmos, darmos uma resposta técnica à altura do que a gravidade presente requer. Que com este cenário que se vislumbra, os produtores se conscientizem, mesmo que à moda de um parto fórceps, e entendam de uma vez por todas, que a sua lavoura pode estar em jogo e em uma partida que a ferrugem tende a vencer”.

LAGARTA – A seca favoreceu a proliferação dessas pragas, em especial a Spodoptera e a temida Helicoverpa. Nessa semana, Dias Guerra confirmou a existência da espécie, presente em ervas daninhas, no caso as buvas, ambas contidas nas novas lavouras mato-grossenses. A constatação da praga se deu em área de pivôs, em Primavera do Leste (sul do Estado). “Novamente a Helicoverpa traz problemas no começo da safra. Sai das guaxas de milho e algodão e a novidade agora, a buva, uma erva daninha que sobrevive na entressafra e já está resistente aos herbicidas”.

 

Fonte: http://www.agrolink.com.br

Leia também

agosto 2020 Por que ter um parceiro no Agronegócio?

Sobreviver dentro de um segmento com concorrência acirrada requer boas parcerias. Por isso, você já se perguntou quais poderiam ...

agosto 2020 Quais são as principais pragas da Citricultura?

A citricultura requer alguns cuidados especiais, principalmente no tocante ao controle de pragas nesse tipo de cultivo. Entendendo a ...

Atuado no segmento de nutrição vegetal, biotecnologia e mineração, a BIOSUL Fertilizantes possui o portfolio mais completo do mercado.

Seus investimentos em desenvolvimento, tecnologia e matérias-primas com alto grau de pureza, possibilitam oferecer ao agricultor as melhores soluções para o melhor desempenho e equilíbrio nutricional das plantas.

(54) 3231-7600
biosul@biosul.com

Rua Os Independentes Grupo de Barretos SP, 875, B. Parque dos Rodeios, 95201-248 - Vacaria/RS

Biosul © 2019 Todos os direitos reservados.desenvolvimento: Six interfaces